Tapada Nacional de Mafra

 

D. João V, o “Rei Magnânimo” (1706-1750), mandou construir um Palácio-Convento na Vila de Mafra em cumprimento da promessa que fez, caso a Rainha lhe desse descendência.

Este grandioso monumento, construído numa época de grande prosperidade real em resultado da exploração de ouro e diamantes do Brasil, constitui uma obra-prima do Barroco Português.

A Real Tapada de Mafra foi criada em 1747 com o objectivo de proporcionar um adequado envolvimento ao Monumento, de constituir um espaço de recreio venatório do Rei e da sua corte e ainda de fornecer lenhas e outros produtos ao Convento.

Com uma área de 1187 hectares, a Real Tapada de Mafra é rodeada por um muro de alvenaria de pedra e cal, com uma extensão de 16 Km. A Tapada foi dividida em três partes separadas por dois muros construídos em 1828, estando actualmente a primeira, com 360 hectares, sob administração militar.

Desde o século XVIII até à implantação da República, a Real Tapada de Mafra foi local privilegiado de lazer e de caça dos monarcas portugueses, sendo contudo nos reinados de D. Luís (1861-1899) e de D. Carlos (1899-1908) que a Tapada conheceu o seu período áureo como parque de caça.

Segundo Alexandre Herculano, escritor e grande entusiasta do desenvolvimento agrícola do país, a Tapada, em 1843 e na sequência da vitória do regime liberal, foi instituída em Granja Real, quinta-modelo para o desenvolvimento da agricultura, silvicultura e criação coudélica da região. O projecto contudo não vingou e a Tapada retomou as suas antigas funções.

Com a implantação da República passou a designar-se Tapada Nacional de Mafra, sendo utilizada fundamentalmente para o exercício da caça e para actos protocolares.

A partir de 1941 foi submetida ao regime florestal total, sob tutela da Direcção-Geral dos Serviços Florestais e Aquícolas, passando a ser gerida numa perspectiva mais ambiental.

Em 1993 a Tapada foi concessionada à Empresa Nacional de Desenvolvimento Agrícola e Cinegético (ENDAC), uma sociedade de capital exclusivamente público na dependência do Ministério da Agricultura.

A partir de 1998 é criada uma Cooperativa de Interesse Público para aproveitamento dos recursos da Tapada, com o Estado a deter posição maioritária no seu capital social, numa parceria com a Câmara Municipal de Mafra e entidades privadas.

 

Actividades para o público

Visitas de comboio

Percursos Pedestres

Percursos de BTT

Visitas Nocturnas

Visitas ao Amanhecer

Caça ao tesouro

Jogos tradicionais

 

Actividades para Escolas

Visitas de Comboio

Percursos Pedestres

Visitas Temáticas

Laboratórios Pedagógicos

Caça ao Tesouro

Jogos Tradicionais

Falcoaria

 

Saiba como chegar

A entrada para a Tapada de Mafra localiza-se próximo de uma povoação chamada Codeçal, situada a cerca de 8 km do centro de Mafra.

Quem Vem do Norte:

- Apanhar A1, sair em Leiria e continuar na Estrada Nacional até entrar na A8;
- Sair em Torres Vedras Sul e apanhar a N8 que vai para a Malveira;
- Após passar pela localidade Barras (aldeia), virar à direita nas placas que dizem Tapada de Mafra e Gradil;
- Passando o Gradil, a 2,5Km encontra o portão da Tapada à esquerda.

Quem Vem do Sul:

- Apanhar a A8, sair em Malveira/Mafra e prosseguir em direcção à Malveira na A21;
- Sair para a Malveira e na rotunda virar à direita em direcção a N8 para Torres Vedras (não entrar na Malveira);
- Após passar pelas povoações de Vale da Guarda e Vila Franca do Rosário, virar à esquerda nas placas que dizem Tapada de Mafra e Gradil;
- Passando o Gradil, a 2,5Km encontra o portão da Tapada à esquerda.

A partir de Mafra:

- Sair de Mafra em direcção à Ericeira;
- Na rotunda da localidade Paz, virar à direita nas placas que dizem Tapada de Mafra;
- Ao chegar ao cruzamento da localidade Murgeira, cortar à direita nas placas que dizem Tapada de Mafra, Gradil e Torres Vedras;
- Após a descida, encontrará o muro e o portão da Tapada à direita.

 

Consulte mais informações sobre os preços e as actividades no site oficial.

publicado por D. às 23:01 | comentar | favorito | partilhar